sexta-feira, 16 de setembro de 2011

ANABATISTA? POR QUÊ?

Introdução
A ORIGEM DO APELIDO "CRISTÃO"
QUE SIGNIFICA A PALAVRA "CRISTÃO"


O significado para a palavra cristão hoje é bem diferente do significado usado nas escrituras.
Ato 26:28 - E disse Agripa a Paulo: Por pouco me queres persuadir a que me faça cristão!
 1Pe 4:16 - Mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte. Hoje, qualquer um que segue uma religião denominada "cristã", acha se no direito de dizer que é um cristão. Alguns são tão depravados em sua forma de viver que de maneira nenhuma fazem jus a essa palavra. Outros são tão errados biblicamente e mesmo assim insistem em achar-se cristãos. E aí está o problema: O próprio indivíduo achar-se um cristão quando não o é.
Veja segundo a Bíblia o que é ser um cristão:
1Co 4:16 Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores.
1Co 11:1 SEDE meus imitadores, como também eu de Cristo.
Efe 5:1 SEDE, pois, imitadores de Deus, como filhos amados;
Flp 3:17 Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam.
1Te 1:6 E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo.
1Te 2:14 Porque vós, irmãos, haveis sido feitos imitadores das igrejas de Deus que na Judéia estão em Jesus Cristo; porquanto também padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que os judeus lhes fizeram a eles,
Heb 6:12 Para que vos não façais negligentes, mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas.
A palavra cristão como é usada na bíblia é um apelido. E este apelido referia-se aos crentes que andavam de uma forma digna. A conduta (dentro da família e da sociedade), a transformação interior e exterior, sucediam a profissão de fé destes crentes. Tamanha era a transformação que se tornavam impossíveis de não serem notados. Então a própria sociedade, testemunhando esta transformação, chamava-os de "cristãos". Assim, ser apelidado de cristão seria uma grande honra a qualquer crente.1Pe 4:16 - Mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte.
É errado, mesmo numa igreja considerada correta, chamar pessoas não regeneradas de cristãos. Não vemos na Bíblia um só exemplo dos apóstolos considerarem verdadeiros crentes aqueles que ainda viviam no pecado. Paulo nos dá um grande exemplo disso em I Co 6,9-11; quando fala que: "Os injustos não herdarão o reino de Deus", e numa lista muito ampla dá exemplo do que é ser um injusto: "Não vos enganeis, nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores, herdarão o reino dos céus, e tais fostes alguns de vós". Alguns Coríntios foram achados nos pecados mencionados acima. Foram! Mas o sangue de Jesus lavou-os, santificou-os e os justificou. O pecado era coisa do passado na vida destes crentes. Achar que se é um cristão por pertencer a uma igreja denominada de cristã é um grande erro. A maior igreja cristã do mundo tem um bilhão e duzentos milhões de fiéis. Todos idólatras, ou então não estariam lá. Herdarão os mesmos o reino dos céus? Se não herdarão os reino dos céus porque é certo chamá-los de cristãos?
O verdadeiro significado da palavra "cristão" não está tanto neste lindo apelido. Está na pessoa que aceita Jesus como seu salvador e vive dignamente como um verdadeiro discípulo do Senhor Jesus Cristo.
A palavra cristão também não é um nome próprio dado por Jesus aos seus discípulos. Ele jamais chamou um de seus apóstolos ou qualquer outra pessoa de "cristão". Ele simplesmente chamava-os de "discípulos" ou "seguidores". Esta palavra, no sentido que é usada na Bíblia, é nada mais e nada menos que um apelido dado aos discípulos ou membros da igreja de Jesus Cristo em razão de sua semelhança de vida com a vida de cristo.



O APELIDO CRISTÃO, ONDE SURGIU PELA PRIMEIRA VEZ

O apelido "cristão" não surgiu logo no início da igreja ele surgiu pela primeira vez na cidade de Antioquia por causa dos discípulos de Cristo que se encontravam naquela cidade (At 11,26). Foram chamados assim pelos moradores daquela metrópole devido ao exemplo que davam sempre testemunhando a respeito de Jesus. Desde então o apelido pegou e eliminou os outros apelidos que eles tinham, como por exemplo, o de "nazarenos", apelido pelo qual eram conhecidos os discípulos pelos judeus (At 24,5); “galiléus”, como foram chamados pelos anjos no dia em que Jesus foi assunto aos céus (At 1:11) e pelo povo no dia de pentecostes (At 2:7) O apelido cristão generalizou-se de tal forma que pouco tempo depois todos os membros das igrejas de Cristo ficaram conhecidos por esse apelido. Não houve outro que representasse tão bem os discípulos de Cristo até meados do terceiro século, quando houve a necessidade de acrescentar um sobrenome ao mesmo.
Até o terceiro século não havia nenhuma instituição ou denominação como temos hoje. Não havia a Igreja Batista, ou a Igreja anabatista, ou a Igreja Católica, ou a Igreja Anglicana. Havia apenas a Igreja de Jesus Cristo, e como vimos, seus membros foram apelidados e não denominados de cristãos. Jesus, quando instituiu a sua igreja, nunca a chamou por um nome como Católica ou Batista. Chamava-a apenas de "minha igreja" (Mat. 16,18), ou quando muito, colocava o nome da cidade onde ela se encontrava, "Igreja que estava em Jerusalém" (At. 8:3), “E na Igreja que estava em Antioquia” (At 13:1), “a Igreja de Deus que está em coríntios” (1corintios 1:2), “às igrejas da macedônia” (2corintios 8:1)

O CRESCIMENTO DOS CRISTÃOS PRIMITIVOS

O aumento do numero dos cristãos foi espantoso. O núcleo formado por Cristo em Jerusalém se espalhou para a Judéia, Galiléia e Sumária. Não tardou muito e o evangelho atravessou as fronteiras da Palestina atingindo a Síria, Chipre e toda a Ásia Menor. Mais algum tempo e toda a costa norte e sul do mediterrâneo possuía grandes centros de cristãos. Nos lugares mais longínquos não seria tão difícil encontrar uma pessoa professando a fé em Jesus Cristo.
Este crescimento inicial foi conseqüência do ardor missionário que havia no coração dos apóstolos. Esse espírito foi transmitido à primeira geração de crentes, os quais, até o inicio do século dois, conseguiram espalhar o evangelho em quase todo o mundo conhecido. O fato de não ter um local específico para as reuniões de cultos, facilitou para que o evangelho se espalhasse tão rapidamente num mundo em que não haviam os potentes meios de comunicação que existem hoje como: internet, rádios e televisão. O costume de prédios par as igrejas favorece no conforto e na questão das denominações, mas desfavorece no sentido de trazer novas pessoas a Jesus. A julgar pelo que vemos nas escrituras será preciso as igrejas verdadeiras repensarem o fator prédio e se lançarem mas no sentido de anunciar por todos os meios de que dispõem a mensagem da cruz.

AS PERSEGUIÇÕES SOFRIDAS PELOS CRISTÃOS ATÉ 313 D.C.

O aumento do numero dos cristãos foi seguido de ciúmes tanto do judaísmo como das religiões pagãs, sendo estas últimas protegidas pelo império romano, que dominava e influenciava quase todo o mundo conhecido daquela época. De princípio o judaísmo perseguiu e fez vítimas como Estevão e o apóstolo Tiago. Alguns anos depois o paganismo entrou em cena, e com o apoio dos imperadores, suas vítimas chegaram aos milhões. Trajano, imperador romano entre 98 a 117, decretou um ofício em que o cristianismo em si já constituía um crime, e todos que nele fossem encontrados deveriam ser julgados e punidos com a morte. Ofícios como este voltaram a ser decretados por outros imperadores, e bem como este davam força às religiões pagãs para tentarem destruir a igreja de Cristo.
Entretanto as igrejas permaneciam de pé e aumentando cada vez mais. Tertuliano que nasceu em Cartago por volta de 150 a 155 d. c se converteu  ao cristianismo por volta dos anos 190 a 195, escreveu certa vez que: "o sangue dos cristãos era uma semente. Quanto mais matava mais crescia."
A perseguição teve seu lado positivo. Muitos por verem que os cristãos sofriam as atrocidades calados tiveram curiosidade de conhecer o movimento. Ao conhecerem diversos se convertiam ao Senhor. A perseguição ajudou a fortalecer a fé de muitos crentes. Ë certo que muitos se desviaram, mas os fiéis se tornaram ainda mais fiéis. Além do que, foi preciso formar um cânon do Novo Testamento, pelo qual, foi regida a igreja primitiva e tem sido regidas as verdadeiras igrejas de Jesus até o presente.
Estas igrejas eram na sua maioria igrejas fiéis. Sempre houve as erradas. Desde os tempos apostólicos as heresias entraram e permaneceram em algumas igrejas de Cristo. Infelizmente as heresias cresceram de tal forma que por causa delas houve no terceiro século uma grande desfraternização das igrejas cristãs.


Se você deseja saber mais sobre este assunto aguarde que em breve estaremos dando continuidade.

Um comentário:

Écio da Costa disse...

A paz do Senhor meu irmão! Eu me interesso muito por história, não só a biblica mas tambem das igrejas. Eu durante muit tempo visitei uma igreja Anabatista daqui do Jardim catarina em são gonçalo-rj, foi uma benção na minha vida neste periodo pois, Deus falou ao meu coração num momento de maior tribulação. Fico alegre por saber que, o amor, carinho e dedicação que recebi, esta em outros lugares do país, que prospere ainda mais! Fique na paz de Cristo!